TV PIBCI

DOMIMGO - 09:40hs e 18:30hs

QUARTA - 19:00hs

CULTOS GRAVADOS

Notícias

02.09.2016

Igreja Reativa ou Circunstancial Diante ao Envelhecimento

Uma Igreja reativa é aquela que toma as providências depois que o incêndio começa a arder. É chamada Igreja Circunstancial quando, ao ser proativa toma as providências para evitar que o incêndio ocorra, toma as providências antes dos fatos acontecerem, antecipa-se e toma as medidas preventivas.

 

Estamos preparados para um cenário futuro fortemente longevo? Pelos estudos e pesquisas que circulam pela webparece que não. O pior é que ignoramos que tal fenômeno afetará a todos nós, mais cedo ou mais tarde. Uma realidade bem mais séria do que parece.

 

Pergunto: será que nossas Igrejas estão preparadas para o envelhecimento? Temos líderes que estão sendo capacitados para lidar com o envelhecimento? Será que temos aproveitado os idosos

da nossa Igreja ou estamos “deixando de lado”? Qual o envolvimento dos idosos na Igreja? O que temos feito para evangelizar os idosos? Quantos missionários temos que desenvolvem projetos evangelísticos para idosos?

 

O despreparo e o desconhecimento da sociedade em relação ao envelhecimento originam mitos, preconceitos e estereótipos sobre a velhice. A representação que a nossa sociedade faz do indivíduo que completa sessenta anos é quase sempre de debilidade e de incapacidade. Sem avaliar as consequências, descarta-o (não apenas como força de trabalho, mas, principalmente, como tal), retira-lhe autonomia (é considerado incapaz para conduzir sua própria vida, seus negócios, etc.), imprime-lhe uma condição de dependência (econômica e social), naturalmente que variando de grupo para grupo. A velhice pode ser considerada uma fase feliz da existência humana, um momento de transição de experiência e sabedoria, que pode ocorrer com toda dignidade. Vamos possibilitar ao cidadão idoso, a descoberta de suas potencialidades, através de ações de conhecimento bíblico e espiritual, ações motivacionais, de autoconhecimento, utilizando um conjunto de atividades socioeducativas integradas entre si. Pois sabemos que eles são uma inestimável fonte de experiência, sabedoria e inspiração.

 

Hoje em dia, temos Igrejas que nem pensam em trabalho com idosos; algumas só lembram do idoso uma vez ao ano (quando lembram), no dia 01 de outubro, que é comemorado o Dia Nacional e Internacional do Idoso. Algumas até possuem ministério com idosos, mas não dão apoio para tal; Igrejas que realizam cultos separados para idosos excluindo uma aproximação de gerações.

 

Hoje, desponta um novo tempo, pois os idosos têm vitalidade para viver projetos futuros (a curto prazo), contribuir na produção, participar do consumo e intervir nas mudanças sociais e políticas. Os gerontologistas não encaram mais o “declínio mental, por exemplo – como necessariamente natural”. Essa situação é vista como resultado de um estilo de vida sedentário, reforçado por estereótipos negativos sobre o envelhecimento que nos condiciona a esperar o declínio físico e mental nos últimos anos de nossa vida.

 

Quando se chega à Terceira Idade, é um novo momento, o de começar uma nova etapa, iniciar novos caminhos, novas conquistas, compartilhar experiências dos caminhos já percorridos e nunca dizer “já percorri por todos eles”. Os caminhos continuam, porém, com brilho diferente, pode acreditar. Basta seguir em frente e vislumbrar as novas possibilidades, novas amizades, os

novos momentos.

 

Está na hora de nós, como Igreja, despertarmos. Temos membros que estão envelhecendo. Muitas Igrejas ainda não despertaram para esse “fenômeno”, estão esperando que aconteça um incêndio para providenciar quem apague. Não seria melhor evitar que aconteça o incêndio? Afinal, podemos ser proativos e não circunstanciais.

 

Fonte: www.batistas.com

 

 

 

 

Joílton, membro da Igreja Batista Itacuruçá – RJ, coordenador do ministério Maturidade Ativa